Arquivo da tag: Concurso Público

É possível uma pessoa graduada assumir um cargo de Técnico em que foi aprovado?

Alguns concursos para técnico vem com os seguintes requisitos: "Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso de ensino médio (antigo 2º grau) acrescido de curso de programação com, no mínimo, 120 horas/aula, ou curso técnico na área de informática expedido por instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC)".

Alguns concursos, como o da Petrobrás, já conseguiram barrar aprovados até mesmo na justiça por não ter um curso técnico na área. Porém, na grande maioria dos cargos – TRTs por exemplo – é aceito.

Ah um entendimento que se o aprovado tem um curso de maior grau, é possível que ela tome posse num cargo quando o requisito é de menor grau (Quem pode mais, pode menos). Existem inclusive casos, que o aprovado ainda nem havia concluido a graduação, mas já havia concluido uma carga de horas de curso de programação maior do que o curso técnico exigido. Basta levar no momento da posse o histórico da sua Faculdade que estará resolvido. Caso ainda exista a dúvida, não custa nada ligar ao órgão e tirá-la diretamente.

Nascido em salvador, mas residindo atualmente em São Paulo-SP e Rio de Janeiro-RJ. É graduado em Analise de Sistemas pela Universidade Católica do Salvador (UCSal, 2003), e Especialista em Engenharia de Software pela Universidade Salvador (2010).

Prova do TST 2012

Acabei de chegar de Brasília, aonde fui fazer a prova para o concurso do TST; minha primeira prova depois que resolvi estudar para concursos públicos.

Devido ao problema que estava no pé, não fiquei para realizar a prova de Analista. Mas a impressão da prova de técnico foi a pior possível.

Durante o período de estudo que tive, fiz todas as questões da FCC dos assuntos que foram exigidos no edital, e posso afirmar que a FCC fugiu completamente do seu padrão de prova. Não que isso seja um elogio! Não é, as questões continuam mal feitas, mas devido algum fator externo (exigência do TST, por exemplo) além das questões serem de dificuldade superior, ainda existiram 6 questões discursivas.

Creio que a FCC não fez um simulado para verificar se o tempo era suficiente, para mim o tempo foi muito curto, o que acabou resultando em um sacrifício da prova de Raciocínio lógico.

Acredito que a pontuação mínima para ser aprovado deva ser inferior as provas anteriores da FCC, mesmo assim acho que não tenho chance de ser aprovado.

Segundo a FCC, o gabarito oficial será divulgado nesta sexta-feira. De qualquer forma é preciso olhar para frente e seguir estudando, dessa vez para a prova da ANAC 2012.

Nascido em salvador, mas residindo atualmente em São Paulo-SP e Rio de Janeiro-RJ. É graduado em Analise de Sistemas pela Universidade Católica do Salvador (UCSal, 2003), e Especialista em Engenharia de Software pela Universidade Salvador (2010).

TRT 4ª Região – Técnico Judiciário – 2011 – FCC

No contexto de banco de dados relacional, das 12 regras definidas por Codd, aquela que determina que os programas de aplicação e as operações interativas devem permanecer logicamente inalteradas, quaisquer que sejam as trocas efetuadas nas representações de armazenamento e métodos de acesso, chama-se independência

a) lógica dos dados.

b) física dos dados.

c) de acesso.

d) de integridade.

e) de distribuição.

Resposta: B

 

As Regras de Codd são:

Um banco de dados, para que seja considerado "totalmente relacional", deve atender as 12 regras definidas por E. F. Codd, o criador do modelo relacional para banco de dados.

As doze regras de Codd estão baseadas na regra zero, que determina o seguinte: "Qualquer sistema considerado, ou que deseja ser, um sistema gerenciador de banco de dados relacional deve ser capaz de gerenciar, por completo, bases de dados através de sua capacidade relacional". Essa regra determina que um SGBDR não permite exceções quanto ao modelo relacional de gerenciamento de bases de dados.

As 12 Regras são as seguintes:

  • Regra 1 – Representação de valores em tabelas: Todas informações do BD relacional são representadas de forma explícita no nível lógico e exatamente em apenas uma forma – por valores em tabelas.
  • Regra 2 – Acesso Garantido: Cada um e qualquer valor atômico (datum) em um banco de dados relacional possui a garantia de ser logicamente acessado pela combinação do nome da tabela, do valor da chave primária e do nome da coluna.
  • Regra 3 – Tratamento sistemático de nulos: Valores nulos devem ser suportados de forma sistemática e independente do tipo de dado para representar informações inexistentes e/ou inaplicáveis.
  • Regra 4 – Dicionário de dados ativo baseado no modelo relacional: A descrição do banco de dados é representada no nível lógico da mesma forma que os dados ordinários, permitindo que usuários autorizados utilizem a mesma linguagem relacional aplicada aos dados regulares.
  • Regra 5 – Linguagem Detalhada: Um sistema relacional pode suportar várias linguagens e várias formas de recuperação de informações. Entretanto, deve haver pelo menos uma linguagem, com uma sintaxe bem definida e expressa por conjuntos de caracteres, que suporte de forma compreensiva todos os seguintes itens: definição de dados, definição de views, manipulação de dados (interativa e embutida em programas), restrições de integridade, autorizações e limites de transações.
  • Regra 6 – Atualização de Views: Todas as visões ("views") que são teoricamente atualizáveis devem também ser atualizáveis pelo sistema.
  • Regra 7 – Atualização de alto nível: A capacidade de manipular um conjunto de dados (relação) por meio de um simples comando deve-se estender às operações de inclusão, alteração ou exclusão de dados.
  • Regra 8 – Independência Física: Programas de aplicação permanecem logicamente inalterados quando ocorrem mudanças no método de acesso ou na forma de armazenamento físico.
  • Regra 9 – Independência Lógica: Mudanças nas relações e nas views provocam pouco ou nenhum impacto nas aplicações.
  • Regra 10 – Independência de Integridade: As aplicações não são afetadas quando ocorrem mudanças nas restrições de integridade.
  • Regra 11 – Independência de Distribuição: As aplicações não são logicamente afetadas quando ocorrem mudanças geográficas dos dados. Devem permanecer inalterados quando são distribuídos em meios ou máquinas diferentes.
  • Regra 12 – Não Subversão: Se um sistema possui uma linguagem de baixo nível, essa linguagem não pode ser usada para subverter as regras de integridades e restrições definidas no nível mais alto.

Além dessas doze regras básicas, o modelo relacional também define nove regras estruturais que tratam da definição de chaves primárias, chaves estrangeiras, views, tabelas etc.; dezoito regras de manipulação que definem as operações de "join", "union", "division" etc.; e três regras de integridade: integridade de entidade, integridade referencial e a capacidade de definir outras regras de integridade sem introduzir dependência estrutural. A integridade de entidade define que uma chave primária não pode ter valores duplicados ou nulos.
A integridade referencial determina que o valor de uma chave estrangeira deve ter obrigatoriamente correspondência em uma chave primária de uma outra relação.

Nascido em salvador, mas residindo atualmente em São Paulo-SP e Rio de Janeiro-RJ. É graduado em Analise de Sistemas pela Universidade Católica do Salvador (UCSal, 2003), e Especialista em Engenharia de Software pela Universidade Salvador (2010).

Após a dengue, só me resta retomar os estudos!

Nascido em salvador, mas residindo atualmente em São Paulo-SP e Rio de Janeiro-RJ. É graduado em Analise de Sistemas pela Universidade Católica do Salvador (UCSal, 2003), e Especialista em Engenharia de Software pela Universidade Salvador (2010).

Material de Estudo para Concurso Público

Se você está almejando uma aprovação em um concurso público, recomendo que dê uma passada no site “Concursopédia”. É um site novo, porém o número de material gratuito está crescendo a cada dia.

O site se define como: “… uma enciclopédia livre e GRATUITA que está sendo construída por colaboradores de todas as partes do Brasil. Este é um site baseado no conceito de Wiki, o que significa que qualquer internauta, inclusive você, pode editar o conteúdo de quase TODOS os artigos acionando o link “Editar” (nas abas de conteúdo) que é mostrado em quase todas as páginas do site.”

A idéia é interessante, mas só dará certo se conseguir um bom número de adeptos. Por enquanto, já é possível encontrar alguns artigos de qualidade, como por exemplo: Tipologia Textual, Arquitetura de Armazenamento, etc.

Nascido em salvador, mas residindo atualmente em São Paulo-SP e Rio de Janeiro-RJ. É graduado em Analise de Sistemas pela Universidade Católica do Salvador (UCSal, 2003), e Especialista em Engenharia de Software pela Universidade Salvador (2010).